• Nós vamos chegar lá



    Ei, você aí! Sim, eu tô falando com você mesmo que por algum motivo está aqui no blog lendo esse texto. Esqueça dos rótulos e me dê a mão, ainda temos 259 páginas em branco para preencher do nosso jeitinho com a nossa própria história. Esqueça quem te julga e vem comigo quebrar as regras que nos são impostas diariamente, afinal, pra que tantas regras? As melhores pessoas do mundo são livres e você tem o direito de ser também.

    Eu sei que vivemos em tempos de escuridão, onde uma série sobre suicídio incomoda mais do que uma mulher sendo agredida, mas não se deixe levar por esse pesadelo chamado hipocrisia brasileira, você ainda tem o direito de se manifestar, você ainda tem o direito de lutar pelo que quer, lutar pelo o que acredita, pelo o que anseia, então lute! Lute mesmo que o sol não brilhe mais nos seus olhos, lute mesmo quando você achar que não há mais esperanças, por que eu te juro que juntos nós podemos - e vamos - chegar lá!

    Um dia tudo vai mudar, eu tenho fé. Um dia os mano vão poder sair de sainha na rua sem receber olhares tortos daqueles que se dizem machos. Um dia as mina vão poder andar peladas por aí sem que imundos tentem algo forçado com elas. Um dia acordaremos desse pesadelo, com apenas fotos e memórias borradas para nos recordar dessa fase ruim, e nesse mesmo dia você poderá ser você sem medo, nesse mesmo dia a única coisa que importará é o bem estar de todos aqueles que sofrem ou já sofreram com a imposição social de quem eles devem ser e de como eles devem agir. 

    Se hoje as nossas vozes se levantam, é para que num futuro não muito distante elas possam se acalmar. E se você ainda estiver perdido em relação à tudo ou até mesmo em relação a você, não se preocupe, por que como eu disse lá em cima, ainda temos 259 dias, VOCÊ ainda tem 259 dias. Mas por favor, não pense que estou lhe impondo um prazo ou algo do tipo, claro que não, você tem a liberdade de levar o tempo que quiser e o tempo que precisar, afinal, ótimas histórias não ficam prontas do dia pra noite.

    Não fomos escolhidos para sermos heróis dessa geração, mas temos um sangue jovem sedento por igualdade correndo em nossas veias e um coração que não aguenta ver tantos atos desumanos serem aplaudidos. E se no final tudo isso for em vão - o que eu espero que não, todos nós iremos saber que tentamos, todos nós iremos saber que pelo menos uma vez o desejo de mudança venceu e uniu dezenas, centenas, milhões de pessoas diferentes com um mesmo propósito pelo bem (e é isso que importa!).