seja bem vindo ao meu blog

Eu sou o Firmino

Firmino

Essa é a parte do blog onde eu falo sobre mim? Droga, eu sou péssimo nisso! Mas vamos lá, eu me chamo Renan Firmino, tenho 20 anos, sou leonino e apaixonado por tudo que eu faço. Meu maior passatempo é assistir séries, eu poderia ficar o dia inteiro maratonando Teen Wolf ou Grey's Anatomy no Netflix. Sou hater de pipoca doce, tenho medo do Mickey Mouse e tenho também uma frase da Taylor Swift tatuada no meu corpo.

  • Rio de Janeiro, RJ - Brasil
  • contato@itsfirmino.com.br
  • www.itsfirmino.com.br
Me

O que eu faço?

Além de - modéstia à parte - escrever ótimos textos, também faço várias outras coisas. Como por exemplo, caso você não saiba, eu sou um DJ. Fiz o curso fornecido pela Dias Produções no Espaço Fênix e desde quando me formei vivo nesse mundão somente para enaltecer o pop e o funk. Também dou algumas arriscadas como Designer, tanto que sou eu mesmo que faço as artes da Festa Wicked, que por sinal é a festa que eu produzo, porque sim, eu também sou produtor de eventos. E compositor. E editor de vídeos. E qualquer outra coisa mais que me der vontade de ser.

Blessed Pop

Blessed Pop é o meu primeiro set musical disponibilizado no Soundcloud e você pode ouví-lo através desse link.

Festa Wicked

Confira tudo que você precisa saber sobre as próximas (e passadas) edições da Festa Wicked clicando aqui.

Alternative Vibes

Alternative Vibes é o meu set musical mais recente disponibilizado no Soundcloud e você pode ouví-lo através desse link.

Em breve

Um novo projeto vem chegando, com muitas ideias diferentes e eu mal posso esperar pra compartilhar ele com vocês.

Em breve

Um novo projeto vem chegando, com muitas ideias diferentes e eu mal posso esperar pra compartilhar ele com vocês.

Em breve

Um novo projeto vem chegando, com muitas ideias diferentes e eu mal posso esperar pra compartilhar ele com vocês.

  • Eu amo o jeito que você mente



    Quando eu te conheci, eu juro que fiz de tudo pra não me apaixonar, mas acontece que todas as vezes que nos víamos você me fazia enxergar um futuro com muitas histórias ao seu lado. E aí não teve como, quando eu percebi já estava caidinho de amores por você, isso sem contar que foi você que me fez esquecer as dores do passado e me deixou com frio na barriga durante dias. Se quando eu te conheci eu soubesse que chegaríamos nessa ruína que estamos, eu teria feito de tudo pra nem se quer ter te dado um simples oi. Mas pelo menos você realmente me deu um futuro com muitas histórias pra contar, pena que são todas sem um final feliz.

    Por incrível que pareça, eu não sei como ainda consigo me surpreender com suas atitudes mesquinhas que parecem as de uma criança de cinco ou seis anos. Qual a necessidade de beijar algum cara quando me vê chegando? Ou então se enfiar no meio de outros dois por que eu passei perto? O que você quer com isso? Arruinar todo o lado psicológico que lutei pra reconstruir depois dos dois últimos exs? Por que se for, posso garantir que nessa área você está fazendo um bom trabalho. Ou o seu maior fetiche é me deixar mal? Então tá, pega a pipoca e senta aí pra me ver queimando no incêndio incontrolável que você inicia todas as vezes, juro que vou te dar um bom entretenimento porque de alguma maneira bem estranha eu gosto de como isso dói.

    A maior verdade sobre nós dois é que nós somos loucos. Loucos que vivem presos numa eterna loucura que é essa nossa relação complicada e indefinida. Sabemos bem que não importa a quantidade de facas que nós colocarmos nas costas um do outro, porque depois de todo o sangue derramado nós ainda estaremos juntos para nos curar só pra nos esfaquearmos mais algumas vezes e acho até que nós somos um pouco sortudos por isso. Então talvez eu seja um masoquista, ou você me faça ser um, porque eu tento correr pra longe mesmo sabendo que eu não quero partir, mesmo sabendo que todos já me disseram que isso é o melhor a se fazer, mesmo sabendo que nunca vamos dar certo juntos.

    Na próxima manhã que você acordar sozinho de ressaca e o primeiro raio de sol bater no seu rosto sujo de maquiagem borrada, lembre-se que isso é só um rastro do caminho que você mesmo traçou porque além de destruir quem está à sua volta, você também é capaz de ser o autor da sua própria destruição e nesse caso ninguém pode te ajudar. Mas eu vou estar aqui, pra cuidar de você, porque mesmo me fazendo perder a cabeça você ainda é o meu baby, só que no momento eu preciso me afastar de você mais do que nunca porque eu não suportaria ir parar de novo no fundo do mesmo poço que eu levei anos pra sair.

    Eu não sei se isso é uma carta de até logo ou se vai acabar se tornando de despedida, mas eu sei que eu to cansado de viver nesse cabo de guerra que você sempre vence porque eu não consigo te dizer não. Nunca. Viver do jeito que estamos vivendo é doentio e a cura pra isso está longe de ser encontrada. Mas se algum dia você sentir que não é amado, lembra que um certo crush de balada te conheceu de verdade e passou a amar cada um dos seus detalhes. Eu amo seu sorriso tímido quando eu te falo alguma coisa. Eu amo o jeito que você segura na minha mão quando saímos andando os dois bêbados pela rua. Eu amo a forma que seus olhos brilham quando os encaro depois de termos uma de nossas clássicas DRs. Eu amo até o jeito que você mente porque mesmo mentindo pra mim eu sempre consigo enxergar a verdade que tem dentro de você, e isso definitivamente é estranho, mas e daí? Nunca fizemos sentido mesmo.
  • O teorema dos meus exs



    Motivado por Thank u, Next da Ariana Grande, eu senti uma necessidade imensa de escrever esse texto. Antes de tudo eu sei que sumi do blog e esse não é o come back que eu estava sonhando em fazer (risos), mas acontece que a inspiração bateu e eu não podia deixar ela passar. Quero deixar claro que isso daqui não é uma carta de ódio muito menos um ataque a ninguém, mas acho legal dar logo um fim em todos os textos de amor que vocês já leram por aqui

    Nesses quase quatro anos de blog, eu me apaixonei diversas vezes, óbvio. E pra começar teve aquele canceriano que passou alguns meses do meu lado. Juro que eu achei que ele era o amor da minha vida, até que ele me convidou para irmos numa festa e esperou eu ir embora dessa mesma festa para me trair. Lembro que na época fiquei bem chateado, mas hoje em dia eu não sei se tenho mais pena do caráter dele ou das pessoas que ficaram com ele mesmo tendo nos visto juntos a noite toda. Mas pelo menos ele foi sincero e me contou tudo, acho que isso merece uma credibilidade, né? Ou não... Decidam aí porque não sou capaz de opinar about that!

    E vocês já ouviram aquela história de que tem o amor DA sua vida e o amor PRA sua vida? Então, eu sou a prova viva de que isso é verdade, porque logo depois do canceriano traidor veio o cara que eu mais amei. Nunca tivemos nada oficializado, nosso relacionamento era uma bagunça sem fim, mas também eu não poderia exigir muito de um geminiano. Tenho certeza que ele é (ou foi) o amor da minha vida por me marcar em vários aspectos. Todos os textos de bad que eu já escrevi foram sobre ele e toda essa história me deixou no fundo do poço, mas aí eu me reergui e hoje em dia, depois de algum tempo afastados, até nos falamos algumas vezes, o que me preocupa, porque eu sei que se ele falar vem eu provavelmente vou. #TheHeartWantsWhatItWants

    Teve um também que não chegamos a ter nada além de uma noite, mas ele definitivamente merece um destaque por todo o conflito que ele gerou. Não sei vocês, mas eu não vejo problema em pegar ex de amigo sem saber que é ex de amigo. Pois foi isso que aconteceu, eu não sabia de nada porque eles terminaram antes de eu conhecer meu amigo, mas a pior parte nisso tudo era que o ex sabia que éramos amigos, tá dando pra entender? E a parte mais engraçada é que quando contei do meu novo boy pro meu amigo, ele me contou a tour toda e foi falar com o ex. Ainda saí como errado e no fim fiquei sem o boy e sem o amigo.

    Pra finalizar, não posso deixar de falar do cara que às vezes era ela mas que, pra mim, no fundo sempre foi ele mesmo quando era ela. Ele ainda é o meu dilema, já que uma parte de mim já decidiu desistir dele enquanto a outra insiste para que eu continue tentando até conseguir. O que mais me conforta em relação a ele é saber que dentre todos que eu citei, ele é de longe o único que eu consigo ter um bom relacionamento independente do que tenha rolado e acho que isso se deve à toda a sinceridade dele de sempre deixar claro pra mim que ele não presta e/ou que não era o tipo de cara pra mim. Única coisa sobre ele que eu tenho certeza é que ele é um dos amores PRA minha vida e que sempre vou ser grato por ter o conhecido muito além dos cílios postiços.

    Fim. Acabou. The end. A biblioteca está oficialmente fechada, como diria Mama Ru em RuPaul's Drag Race. Aqui está o final de todas as tours amorosas que vocês acompanharam durante esses anos de blog, me sinto até mais aliviado por finalmente colocar um ponto final digno em cada uma delas. Obviamente não vou falar quem é quem muito menos qual texto foi pra cada um deles, mas quem é sabe e isso que importa. Um beijo e é isto, que venha o próximo.
  • Dançando sozinho



    Olha, pra ser bem sincero já tem algum tempo que eu queria acreditar que você não servia pra mim, mas eu simplesmente não conseguia entender isso de jeito nenhum, só que mesmo assim eu fui me envolvendo e me deixando levar, sabe? Eu fui seduzido pelo teu jeito desengonçado, pelo teu beijo que me excitava e pelo teu toque que me deixava arrepiado desde a nuca até o pé. Mas comecei a perceber que tudo isso era tão pouco perto do que eu estava disposto a te dar.

    Eu mergulhei em você mesmo sem saber nadar, quis sentir os seus perigos mesmo com todos me dizendo que se eu me afogasse não teria ninguém pra me salvar. E eu sei que isso é estupidez, mas eu precisava ver com os meus próprios olhos, e por isso me deixei levar por algo que eu acreditava que era alguma coisa, mas no fim, tudo não passava de uma confusão  que eu mesmo criei e que acabou se tornando uma dependência, afinal, mergulhar em você foi a forma que eu encontrei pra tentar entender tudo o que eu realmente sentia.

    Por mais que eu tenha tentado evitar, essas coisas a gente não planeja e muito menos escolhemos por quem vamos nos apaixonar. Mas, se tem uma coisa que você conseguiu me ensinar com isso tudo, é que a gente pode escolher sim entre permanecer em algo inútil ou cair fora. E eu, infelizmente, estou optando por ir embora, já que hoje eu entendo que você nunca foi o suficiente pra mim como eu achava que era ou que poderia ser e isso é péssimo.

    Mas pra deixar bem claro, me envolver e chegar aonde eu cheguei nunca foi um problema, o que complicou mesmo foi me envolver com alguém que não tá nem aí. Era como se eu vivesse jogado nos teus braços, querendo um pouco de atenção enquanto implorava por cuidado. Às vezes demora um pouco, mas uma hora a ficha cai e agora eu tenho plena consciência de que mesmo que eu te desse tudo de mim, eu nunca seria o cara que você leva pra casa.

    O meu maior erro foi me contentar com o pouco, já que o mínimo que você fazia se tornava algo imenso pra mim, e aquela migalha de sentimento que você me trazia acabava se tornando algo extremamente grande e importante. Mas tá tudo bem, vou ficar bem e o tempo que virá há de me tornar uma pessoa melhor e ainda mais madura, já que como você várias vezes fez questão de enfatizar, eu só tenho 20 anos. Tá tudo certo, de você eu não tenho raiva nem guardo rancor. Só me guardo agora e tudo que me resta é continuar dançando sozinho.
  • Meu dilema



    Sabe, às vezes ele me tira do sério e na maioria das vezes ele me faz achar que estou enlouquecendo, mas acontece que nem nos meus melhores sonhos eu poderia imaginar que um dia eu encontraria uma pessoa igual à ele. Aliás, eu felizmente posso dizer que tive o privilégio de conhecê-lo, sem contar a parte de que em um dia ou outro o tive em meus braços e pude provar os seus beijos e os seus sorrisos mais sinceros. A pior parte é que desde o começo eu não queria me apaixonar por ele por que já imaginava o quão difícil seria deixá-lo partir caso isso acontecesse. E eu tinha razão. Ele partiu. Foi difícil. Mas ele voltou.

    Ele me fez ficar acostumado com a devastação de uma tempestade, e durante todos esses meses era como se todos os outros fossem apenas brisas passageiras que me refrescavam rapidamente em dias de calor. Ele voltou com todos os seus raios e trovões, mas dessa vez eu resolvi abrir o meu guarda-chuva para me proteger, por que eu sei que ele talvez não seja bom o suficiente para mim, mas em algum lugar aqui dentro eu gosto de acreditar que ele é, assim eu me poupo de continuar procurando outra tempestade por aí.

    Ele sempre deixou claro que não era de ficar por muito tempo em um lugar, mas comigo, ele parecia estar disposto a trazer a sua bagunça tempestuosa e deixá-la jogada em algum canto aqui dentro de mim. Acho graça mas sei que foi injusto comigo mesmo pensar nisso, afinal, ele já me arrastou pra essa confusão uma vez e dessa vez parece que ele continua sem arrumar o lugar que pretende (isso se pretender) me receber, só que mesmo assim eu entro e não estou nem aí se depois vai ter como sair ou não.

    Ele tem um olhar de quem já contou — não só pra mim como pra todos os outros com quem se relaciona — um milhão de mentiras, mas quando o olhar dele se encontra com o meu eu consigo acreditar nele e sentir uma segurança do mundo fora da tempestade. E eu sei que eu poderia viver sem o olhar, o sorriso e os beijos dele, inclusive, eu nem preciso de nenhuma dessas coisas, mas eu quero tê-las mesmo assim por que, depois de todas as vezes que eu lutei pra fugir dele e tirar ele da minha cabeça, ele continua sendo A pessoa.

    Ele pode até ser aquela corda bamba que ninguém aprende a andar, mas isso é por que lugares muito altos me dão enjoo, por que se não, com certeza já teria alguém fazendo até um desfile nessa corda. Se ele em algum momento achou que eu não pensava mais em nós, ele se enganou por que desde o momento que o conheci eu penso na tempestade que seria a colisão de dois corações que estão destinados a viver juntamente separados. Mas pera lá, se você leu até aqui precisa saber que eu ando seguindo a minha vida ao lado de outras pessoas, respirando diversas brisas, só que eu sempre me sinto atraído ao meu dilema — e meu dilema é ele.
  • Eu vou morrer sozinho



    Sabe, cheguei numa fase da minha vida que tudo que eu mais quero é estar sozinho e apreciar a calmaria de estar com a minha própria companhia. Não quero a bagunça de ninguém se misturando com a minha e muito menos quero perder tempo com gente mal resolvida. Descobri da pior forma que as pessoas cansam, e eu sabia que em algum momento eu ia cansar de me importar tanto também. E esse momento está sendo agora.

    É bem melhor gastar meu tempo colocando minhas séries em dia do que tentar ser relevante pra alguém que não está nem aí pro que eu sinto ou penso. Tenho preferido até cuidar das plantas da minha mãe, ler um livro novo em inglês, assistir alguns vídeos engraçados do Diva Depressão durante a madrugada só pra acordar com um bom humor ao ponto de olhar pela janela e pensar no quão grande o mundo é e que eu ainda preciso provar muitos sabores da vida sem rumo. Mas sozinho, porque não existe problema em estar só.

    Isso tudo pode parecer loucura pra quem vê de fora, mas se parar pra pensar, não tem nada melhor do que pode sair de dentro de mim de vez em quando pra explorar todas a minhas versões e mesmo assim ter a certeza de que eu tenho um lugar pra voltar quando tudo isso for embora, porque quando eu passei a reconhecer que eu sou o meu próprio abrigo, nunca mais me abandonei em algum canto escuro dentro de mim pra insistir em entrar na vida de alguém.

    E não pense que só porque eu cheguei ao ponto se assumir e aceitar todas essas coisas eu não quero mais viver uma vida à dois com muita parceria e reciprocidade, muito pelo contrário, não desisti de encontrar alguém interessante o bastante pra rir dos meus desastres e provar os meus gostos mais estranhos, pra performar todas as músicas da Taylor Swift comigo enquanto lavamos a louça ou até mesmo pra me contar sobre os seus planos e dividir comigo seus sonhos.

    Concluir que eu vou morrer sozinho não significa que eu desisti do amor porque eu nunca vou desistir dele, muito menos de encontrar alguém que eu consiga enxergar afeto. Mas acontece que eu só não quero mais (e nem sinto falta de) procurar esse tal alguém, porque pra mim, tê-lo do meu lado não é mais uma necessidade de vida e se por um acaso eu acabar encontrando, tudo bem. Se não, tudo bem também, eu tô bem assim sozinho.
  • Uma carta ao cara que desperta meu ciúmes



    Até quem me encontra na fila da balada consegue perceber que eu nunca soube lidar muito bem com relacionamentos. Durante todos esses meses, eu sempre tentava dar um jeito de esconder, de fingir que não tava nem aí, que não me importava. Eu queria parecer forte, desapegado, ser aquele que consegue te beijar e não sentir nada além de tesão, só que no fundo, eu não era assim. E o pior é que nesse mesmo fundo você sabia disso.

    Você sempre soube que eu passava noites em claro só pra te mandar uma mensagem ou então que eu ficava acordado rolando na cama de um lado pro outro enquanto olhava feito um bobo para a tela do celular e pensando em como queria estar do seu lado. Sem contar das vezes que eu saía nas noites de sexta-feira só pra te ver. E eu odiava sair nas noites de sexta-feira, mas eu fingia que estava tudo bem quando te via, e sabe qual é a melhor parte? Tudo realmente estava.

    Todas as vezes que fingia que não te via era só pra me fazer de difícil, pra não fazer você pensar que você era o único. Você sabia que minhas pernas estremeciam quando você passava do meu lado perto o suficiente pra eu sentir o seu perfume, e que meu sorriso de canto de boca nada mais era do que eu tentando disfarçar a vontade de te arrancar um beijo antes mesmo das três da manhã. Meu coração acelerava só de pensar no momento em que a gente se encontrasse, mas eu não admitiria isso nem pra mim mesmo. Quem dirá pra você!!

    Você foi o cara que arrancou vários sorrisos de mim sem ao menos perceber. Você foi o cara que me fez insistir pra todos os meus amigos que não, eu não estava apaixonado. Mas na real, eu sabia que o meu coração não ficava descompassado toda vez que alguém dizia seu nome à toa. Eu sabia que era furada se apaixonar, e era por todas essas coisas que eu nunca quis admitir isso pra ninguém. Só que em meio a todo esse dilema de admitir ou não admitir, eu admito de uma vez por todas que sim, eu tenho ciúmes de você.

    Pode parecer loucura, mas eu literalmente não gosto do jeito que eles te olham, e por mais que eu saiba que em alguma parte aí dentro você sente o mesmo por mim, eu não posso evitar isso. E eu sei que não é culpa sua se eles te rodeiam, mas eu ainda tenho o meu direito de ficar com raiva porque você é lindo e sexy e todos (todos mesmo!!) querem te experimentar. Mas no meio disso tudo você ainda consegue fazer essa bad vibe passar, já que você sabe que eu fico excitado quando você também se demonstra com ciúmes

    Na última vez que a gente se viu, meu coração caiu no chão. Ele parou, por um centésimo de segundo, quando te vi beijando outro e eu senti aquela sensação que já estava acostumado a sentir. Eu sabia que antes disso ter um fim você viria com aquele sorriso e que seria a mesma coisa de sempre. Era como se eu e você estivéssemos preso em um ciclo eterno e depois de toda a tensão eu sabia que não podia mais continuar ali, por isso eu fugi. Fugi de você, de mim, do que eu sentia e do que eu estava destinado a sentir junto com você.

    Eu fugi daquilo que, ao mesmo tempo em que me confortava, também me sufocava. E eu sabia que, uma hora ou outra, eu precisaria parar de fugir. E é por isso que te escrevo essa carta admitindo todas essas coisas que eu já estava cansado de sentir em segredo.